Ter um hábito de vida saudável necessariamente implica que sou fértil?

Praticar exercícios físicos regularmente, ter uma alimentação balanceada, evitar o consumo de álcool e cigarros e obter formas de enfrentar o estresse causado no dia a dia são hábitos saudáveis que certamente possuem impactos positivos na vida de qualquer pessoa.

No caso das mulheres, isso possui implicações não somente na qualidade de vida em geral, mas também no sistema reprodutivo. Afinal, uma rotina pouco regrada pode afetar seriamente a fertilidade das mulheres. Mas, ter um hábito de vida saudável necessariamente implica que você é fértil? Este artigo vai explicar como se dá tal relação.

O lado positivo dos hábitos saudáveis

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), um casal fértil apresenta em média 20% de chances de concepção por vias naturais quando mantém relações no período fértil da mulher, principalmente nos 3 primeiros meses. No entanto, essa taxa tende a apresentar variações de acordo com os hábitos de vida de cada um.

Isso porque uma rotina pouco saudável (alimentação pobre em nutrientes e rica em gorduras e açúcares, sem atividades físicas, alto índice de estresse e com consumo de álcool e cigarros) possui impactos negativos na fertilidade feminina, pois afeta seu metabolismo a ponto de interferir nos processos ligados à reprodução.

Um exemplo disso está no tabagismo. As substâncias presentes no cigarro são bastante nocivas para o organismo e podem causar, nas mulheres, aceleramento da menopausa, disfunções ovarianas e até perdas gestacionais. Já o excesso de peso afeta a produção hormonal, com efeitos na capacidade de recepção do endométrio.

Vida saudável implica em fertilidade?

De maneira geral, ter um hábito de vida saudável possui impactos positivos na fertilidade das mulheres. Entretanto, é importante salientar que certos fatores podem afetar a capacidade reprodutiva mesmo em pessoas com essa rotina, já que não possuem relação direta.

Um desses fatores é a idade. Como se sabe, cada mulher chega à puberdade com uma determinada quantidade de óvulos em seu organismo, sendo que não são repostos a cada ciclo menstrual. Dessa forma, a chance de concepção diminui com o tempo, principalmente a partir dos 35 anos.

Os distúrbios hormonais também podem afetar a fertilidade, mesmo em pessoas com hábitos saudáveis. O hipotireoidismo, por exemplo, é um problema relacionado à baixa produção de hormônios da tireoide. Caso não haja um tratamento adequado para controle, isso pode diminuir a fertilidade ao interferir no chamado eixo hormonal hipófise-ovariano.

Além disso, algumas mulheres apresentam certas alterações genéticas em seu conjunto de cromossomos que podem interferir de maneira negativa na sua fertilidade. Nesse caso, elas foram causadas em algum momento de seu desenvolvimento, mas sem qualquer relação com hábitos ou falta de cuidados por parte dela.

O que fazer nestes casos?

Como você viu, existem fatores que influenciam a fertilidade além daqueles que você pode controlar. Dessa forma, se estiver com dificuldades na concepção, mesmo com uma rotina saudável, é essencial procurar a orientação de um especialista. Ele pode fazer o diagnóstico mais preciso da sua situação e, se necessário, indicar o tratamento adequado.

Em nosso blog, você pode ver outros conteúdos sobre a relação entre qualidade de vida e fertilidade. Acesse agora mesmo e veja como hábitos saudáveis impactam nesse processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Não engravidar. De quem é a culpa? Da mulher?
Próximo post
A fertilização em vitro não é um tratamento destinado apenas para infertilidade, essa tecnologia pode ser usada para tratar outros problemas. Conheça alguns deles!
Menu