Quer engravidar? Cuide do seu peso!

setembro 21, 2017
admin

1-fertilivita-wp-sem38-estudo-v1

Estamos vivendo uma epidemia de obesidade, doença que afeta cerca de 600 milhões de adultos e 100 milhões de crianças em todo o mundo. Além dos tão propalados problemas que o sobrepeso pode acarretar, como diabetes, hipertensão arterial, além dos riscos de infarto e derrame, muitos desconhecem que os quilos a mais na balança também afetam a taxa de fertilidade. O mesmo pode ser dito para o extremo oposto, já que a magreza excessiva também dificulta a concepção.

Por que isso acontece? A culpa é toda do tecido adiposo, que funciona como um sistema endócrino à parte. Além do armazenamento e liberação de energia, os adipócitos – que são as células que compõem este tecido – são responsáveis por secretar importantes hormônios que controlam, inclusive o metabolismo de hormônios sexuais. Desta forma, tanto a falta quanto o excesso afetam diretamente a saúde sexual e a fertilidade, causando problemas na ovulação e na espermatogênese.

Gravidez e obesidade, risco para a mãe e para a criança

Quando a gravidez é programada, médicos recomendam que a mulher que pretenda engravidar, busque acompanhamento nutricional para que o sobrepeso ou boa parte dele seja eliminado. Mas, caso aconteça de forma inesperada, hipertensão, eclampsia e diabetes gestacional são alguns dos problemas associados a essa gravidez.

Mas, mas não somente a gestante é afetada por este excesso de peso. Pode haver abortos ou parto prematuro. Além disso, há riscos de que a criança nasça abaixo do seu peso por conta de dificuldades de os nutrientes atravessarem a barreira placentária. Outros problemas recorrentes são malformações cardíacas e espinha bífida.

Futuras mamães muito magras também podem sofrer

Assim como mulheres com excesso, aquelas muito abaixo do peso também sofrem com problemas de fertilidade e podem ter problemas durante a gravidez. Além disso, também correm risco de parto prematuro, aborto espontâneo e a criança pode nascer com baixo peso.

Neste caso, elas devem passar por acompanhamento nutricional durante toda a gravidez a fim de equilibrar a dieta de modo a oferecer ao bebê todos os nutrientes necessários. E, se for o caso, o profissional poderá, inclusive, prescrever suplementos.

Homens também são afetados

Em geral, quando o assunto envolve obesidade e fertilidade, os homens costumam ficar de fora. Mas estudos apontam que, sim, homens com excesso de peso também têm seu potencial reprodutivo diminuído, com baixa taxa de espermatogênese e espermatozoides com problema de mobilidade.

Além disso, há um aumento da temperatura da bolsa escrotal, causada pela proteção adiposa e que também pode causar problemas à qualidade do líquido seminal, fundamental para a boa saúde dos espermatozoides. Outro problema bastante recorrente é a disfunção erétil, decorrente de problemas como o diabetes e deficiência de testosterona.

Desta forma, recomenda-se que casais que não estejam com o peso adequado repensem seus hábitos e procurem sanar este problema o quanto antes. Caso contrário, frustrações com a dificuldades de engravidar ou problemas gestacionais serão uma constante.

Comentários

comentário(s)

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *