Fertilização in vitro: Conheça as novas técnicas e seus avanços

Muitos são os motivos pelos quais alguém pode recorrer à fertilização in vitro. Esse procedimento é muito procurado por pessoas com problemas de fertilidade, problemas genéticos, por casais homo afetivos e mulheres solteiras. É uma das técnicas mais tradicionais quando falamos de reprodução assistida e sua eficácia aumentou com o passar dos anos. Saiba mais sobre suas novas técnicas e avanços.

Como funciona a fertilização in vitro?

A fertilização in vitro (também conhecida como FIV ou bebê de proveta) consiste na fecundação entre óvulo e espermatozoide em um laboratório. Para isso, é realizado o acompanhamento e estímulo do período de ovulação da mulher para que ocorra a fecundação no momento exato.

Os óvulos são coletados e colocados em contato com os espermatozoides, por meio de cultura. Após a fecundação, os pré-embriões são cultivados e transferidos para o útero da mulher. Essa técnica é indicada para casos de doenças nas trompas, endometriose, alterações seminais masculinas, laqueadura tubária, infertilidade sem causa aparente além de em diversas outras situações.

Quais são as novas tecnologias e avanços na fertilização in vitro?

Hoje em dia é mais fácil ter sucesso com a fertilização in vitro graças aos avanços da tecnologia. Apesar de ser um tratamento que exige técnica e paciência, alguns procedimentos permitem maior sucesso na fecundação, como:

• Assisted Hatching

Por meio deste procedimento, também chamado de eclosão assistida, o embrião tem mais chances de conseguir implantar no útero. Isso porque através de um laser é possível realizar uma abertura na zona pelúcida, película que envolve o embrião, antes de transferi-lo para ser implantado. Com esse afilamento, o embrião consegue fixar no útero da mulher com mais facilidade.

• Fertilização por injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI)

Essa técnica é muito útil para casos de infertilidade masculina. Neste procedimento, apenas um espermatozoide é escolhido e, por meio de uma pipeta, é introduzido cuidadosamente no interior do citoplasma do óvulo. É indicada especialmente para homens com pouca quantidade de espermatozoides, mulheres com pequena quantidade de óvulos, pacientes que já foram submetidos a vasectomia, etc.

• Rastreamento Genético de Pré-Gestacional (PGS)

Por meio desta técnica é possível avaliar as células do embrião antes de ele ser implantado no útero. Desta forma, podem-se diagnosticar eventuais alterações cromossômicas ou genéticas, como a síndrome de Down, a fibrose cística, etc. São retiradas algumas células do embrião que por sua vez são analisadas em um processo de hibridização fluorescente.

É uma técnica muito útil para não transferir embriões que possam se desenvolver com algum problema. Além disso, aumenta as chances de gravidez, já que os embriões escolhidos são geneticamente saudáveis.

A FIV é uma técnica segura e eficaz?

A fertilização in vitro é uma prática tradicional na medicina e muito segura. Com os novos avanços tecnológicos, a FIV se tornou ainda mais eficaz. São diversas as técnicas que podem ser utilizadas de acordo com as necessidades dos pacientes, aumentando bastante as chances de fecundação.

Procure uma clínica de confiança e tire todas as suas dúvidas sobre esse procedimento. Apenas o médico poderá avaliar junto com você qual é a melhor técnica para o seu caso. Para saber mais informações sobre esse tema, leia outros posts do nosso blog: https://www.fertilivita.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
A infertilidade e a união do casal
Próximo post
Como o assisted hatching ajuda na implantação do embrião?
Menu