Posso ter certeza de que vou engravidar por meio da fertilização in vitro?

julho 17, 2017
admin

SITE-Descolamento de placenta6

Para mulheres que desejam ter filhos os sintomas da menstruação são indícios de que aquela tão sonhada gravidez não se concretizou dessa vez mês. Essa sensação pode ser ainda pior quando  o tempo vai passando e a gestação não chega. A fertilização in vitro (FIV) é a esperança para muitos desses casais. No entanto, a resposta para a pergunta “Posso ter certeza de que vou engravidar por meio da fertilização in vitro” é: na maioria dos casos sim, mas esse tratamento não é infalível. E a expectativa do resultado está relacionada aos motivos que levam os casais a necessitarem de tratamento.

A chance de gestação natural em casais saudáveis varia entre 18% e 20% ao mês. Não é exatamente uma probabilidade grande. Por isso mesmo que o casal não precisa se desesperar se a gestação não aconteceu em poucos meses após iniciarem as tentativas. Da mesma forma, a FIV não deve ser encarada como solução definitiva e incontestável. Especialistas são unânimes ao afirmar que a melhor e mais saudável maneira de engravidar é por concepção natural e espontânea, obedecendo a época adequada da vida jovem do casal.

Fertilização in vitro nem sempre é sinônimo de sucesso

Há fatores que não tornam a FIV 100% eficiente. Entre esses estão a idade avançada do casal; sobretudo a da mulher, que começa a perder sua taxa de fertilidade mais precocemente que o homem. Leia mais em: Gravidez na maturidade: é possível, mas oferece riscos e Por que é melhor engravidar até os 35 anos?

Outro ponto preponderante é o motivo ou diagnóstico que leva um casal a procurar uma clínica de Reprodução Humana. A grande maioria dos casais com infertilidade, na verdade, apresenta uma condição que denominamos de subfertilidade – que é uma diminuição da possibilidade de gestação natural (grande dificuldade de conceber). Que pode ser mais grave ou não, dependendo dos fatores associados em cada caso. Muitas vezes, essa diminuição é tão acentuada, que o casal não consegue aguardar pela gestação por métodos naturais.  Nestas situações, a FIV serve como uma espécie de atalho, diminuindo o tempo de espera.

Existem outros perfis de pacientes nos quais há, realmente, possibilidade de gestação natural sem a ajuda da FIV – como por exemplo nos casos de azoospermia (ausência de espermatozoides ao espermograma) ou obstrução bilateral das trompas. Nesses casos a indicação é quase que obrigatória sempre que o casal desejar ter filhos.

Seja qual for o caso, é fundamental procurar um médico de confiança, que possa informar com exatidão o problema enfrentado pelo casal e a real possiblidade de uma gestação. Não gerar falsas expectativas é importante para estabelecer a confiança entre médico e paciente. Ajudar o casal a compreender a severidade da sua própria situação – sem estabelecer comparações com outros casais de amigos que possam já ter passado por esse mesmo processo – e não tornar ainda maior a frustração.

Saber administrar com sabedoria e equilíbrio as etapas do tratamento, entendendo a FIV e encarando-a como um processo terapêutico, na qual pode haver mais de uma tentativa para atingir a gestação.  Ter um resultado negativo em uma tentativa não significa que o processo esteja condenado ao fracasso. Aprender com a resposta individual de cada ser humano é uma oportunidade de reajustar todo esse processo para o ciclo seguinte, em busca da gravidez tão desejada.

Comentários

comentário(s)

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>