Entenda o que é a cerclagem uterina e sua importância para levar adiante uma gravidez

setembro 25, 2017
admin

2-fertilivita-wp-sem38-estudo-v1

Levar uma gravidez adiante e ter um filho no tempo previsto não é uma tarefa das mais fáceis. Há uma série de fatores que podem gerar complicações e causar tanto um aborto tardio quanto um parto prematuro. E uma destas condições é a incompetência istmo-cervical, que acomete cerca de 1% da população e que tem na cerclagem do colo uterino a principal forma de evitar a interrupção da gravidez ou um nascimento antes da hora.

O colo do útero é uma estrutura que liga o corpo do útero ao canal vaginal. E a porção mais próxima deste órgão, que o separa do colo é chamada istmo – veja na figura. Durante uma gravidez normal, tanto o colo quanto o istmo permanecem fechados. O istmo, por sua vez, é dotado de fibras muito fortes que formam uma espécie de teia evitando (a grosso modo) que o peso force uma abertura e provoque o esvaziamento do útero. Mal comparando, é como se fosse uma porta de um cofre daqueles com parede bem espessa equipado com uma fechadura programada para abrir somente em uma hora determinada.

No entanto, há mulheres que, por questões congênitas ou adquiridas, como uma lesão na região causada curetagem, que passaram por cirurgias uterinas ou gravidez gemelar, sofrem de uma certa fraqueza dessas fibras. Em muitos casos, esta condição só é descoberta por conta de abortos recorrentes ou partos prematuros. Assim, para evitar que isto volte a acontecer, entre a 12ª e 14ª semana de gestação, os médicos costumam fazer uma pequena cirurgia que consiste em dar um ponto reforçado na região, utilizando um fio que não é absorvido pelo organismo. Desta forma, o colo do útero permanece fechado durante toda a gravidez e o ponto é retirado pouco antes do parto. Na maioria dos casos, o procedimento é feito via vaginal, mas quando há problemas no colo do útero, a melhor alternativa é via videolaparoscopia.

Quando o problema é descoberto tardiamente, uma opção à cerclagem é a adoção do pessário, um anel feito em silicone que também ajuda a fechar o colo do útero. Neste caso, não há a necessidade de anestesia e o procedimento é feito em consultório, introduzindo-o na vagina até que se atinja o colo. Desta forma, a dilatação fica mais difícil de acontecer. Em ambos os procedimentos, os cuidados no pré-natal devem ser redobrados e a paciente deve manter repouso.

Quando seguidas as orientações do médico, as chances de a gravidez ser levada a termo são muito maiores. Em caso de qualquer dúvidas, consulte seu ginecologista.

xxx

Fonte: https://sites.google.com/a/raiosxbr.com/web/anatomia-1/sobota-anatomia-parte-2

Comentários

comentário(s)

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>