Criopreservação: a tecnologia a serviço da reprodução

dezembro 21, 2017
admin

bich-ngoc-le-229371-1-e1507061343494

O primeiro caso de uma gravidez bem-sucedida realizada a partir de um óvulo congelado aconteceu em 1986. De lá para cá, as técnicas de criopreservação evoluíram muito tendo como impacto direto o aumento nas taxas de sucesso de gestações, número de homens, mulheres e casais que recorrem à técnica, quanto nas taxas de sucesso do procedimento. Saiba mais sobre esta técnica e em quais casos é recomendada.

Preservando óvulos

Toda mulher já nasce com um número determinado de óvulos pré-formados e, a partir dos 35 anos, ocorre uma diminuição tanto da qualidade quanto da quantidade de óvulos produzidos. Na contramão desta diminuição, é cada vez mais comum as mulheres decidirem por engravidar quando estão mais maduras e, justamente, na época em que a taxa de fertilidade está baixa. A solução está no congelamento dos óvulos. Outros motivos para que as mulheres optem pela criopreservação também podem ser a falta de um parceiro fixo, além de questões ligadas a tratamentos médicos mais severos, que podem destruir as células reprodutivas e inviabilizar uma gravidez.

Um dos procedimentos que precede o congelamento dos óvulos é a estimulação ovariana. Em cada ciclo a mulher libera um único óvulo e para aumentar isso são administrados hormônios durante alguns dias para que mais óvulos sejam liberados. Durante este período são feitos exames para acompanhar o desenvolvimento e crescimento das células. Entre 34 e 36 horas após a última aplicação hormonal, é realizada a coleta dos óvulos. Para isso, é utilizada uma pequena agulha acoplada a um aparelho de ultrassonografia. O procedimento de coleta durante entre 10 a 15 minutos.

Após a aspiração, os óvulos passam por um tratamento com substâncias chamadas crioprotetoras, que evitam a formação de cristais de gelo em seu interior, preservando suas estruturas celulares. Em seguida, as células são inseridas em um recipiente armazenador próprio, com nitrogênio a -196°C e ali fica armazenado podendo ser descongelado e fertilizados por sêmen do parceiro ou de doador a qualquer momento.

Embriões também podem ser preservados com muitos benefícios

A preservação dos embriões é uma técnica aconselhada por grande parte dos especialistas em reprodução assistida por conta da alta confiabilidade. Durante a estimulação ovariana, há uma grande quantidade de óvulos coletados e apenas uma parte será fertilizada e dará origem aos embriões.

No entanto, nem todos os embriões formados serão transplantados para o útero da futura mãe e os remanescentes podem ser preservados e usados para futuras fertilizações.

Comentários

comentário(s)

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>